segunda-feira, 12 de novembro de 2012

[Resenha] Cassandra Clare - Cidade de Vidro

"All the lies, all the wise, will be crystal clear".
 Todas as mentiras, toda a esperteza, serão esclarecidas.
__________________________________________________________________________________________
                                                                                                                                             Sem spoilers Cidade de Vidro
– Fraqueza e corrupção não estão no mundo [...] Estão nas pessoas. E sempre estarão. O mundo só precisa de boas pessoas para equilibrar. E você está planejando matar todas elas.
Resolvi diferenciar, introduzir esta resenha com um trecho de uma das minhas músicas prediletas da cantora P!nk, não só porque tal ideia me veio durante a leitura e não consegui mais parar de pensar em fazê-lo, mas também pelo fato de se encaixar adequadamente na proposta que o terceiro livro da série Os Instrumentos Mortais oferece ao seu fandom. "Cidade de Vidro" é o esclarecimento de mentiras, dúvidas e segredos entre os personagens, consumando a história da trilogia que nos segurou até aqui.
[...] – Olha, você me chamou até aqui só para me encarar como se eu fosse alguma coisa em uma placa de petri? Da próxima vez mando uma foto. 
– E vou colocá-la em um porta-retratos na minha mesa de cabeceira - disse Jace, mas não parecia exatamente sarcástico.
Apesar de não ser um apanhado com tantas tensões como seus livros anteriores, trata-se de uma narrativa que flui sem muita dificuldade. Li seu antecessor há mais de um ano e não recordava muito bem de todo o universo dos Caçadores de Sombras, o que se confirmou, talvez, em uma intensa aversão ao início do livro. Parecia simplesmente monótono, desinteressante, porém na metade da obra, quando os esclarecimentos começaram a ser dados, tudo mudou de figura, de maneira positiva e instigante, fazendo com que fôssemos até o fim em um piscar de olhos.
Porque demônios querem. Mas não amam.
Com momentos tão aguardados e surpreendentes em sua segunda metade, o texto consegue depreender o enredo da primeira trilogia da série de seis livros - o quão louco isso pode soar? - com certo louvor, mesmo com essa inconstância de conectividade para com o leitor. Lembro-me claramente do início dos outros livros que me prenderam desde a primeira lauda, o que não ocorreu com CDV. Se isso se deve à narrativa aplicada, ao longo intervalo de tempo entre as leituras da série ou por ambos, não sei dizer.
- Sou homem - disse ele -, e homens não consomem bebidas cor-de-rosa. Vá, mulher, e me traga alguma coisa marrom.
Os personagens, contudo, continuam bem construídos e delimitados em suas respectivas personalidade, propiciando diversos tipos de momentos que completam o enredo de tal forma que nos apegamos a cada um deles e só tomamos conta disso à última página. Os novos, ainda que não se vangloriem de possuir três livros para serem desenvolvidos, marcam bem suas passagens e trazem novos ângulos da história que todos já conhecem - e a maioria é peça-chave de todo o desvendar do passado. A diagramação prossegue favorável, porém os brilhos da capa saem com uma facilidade muito maior e alguns erros de digitação puderam ser percebidos.
- Podia ter pedido qualquer coisa no mundo, e pediu a mim, por mim. [...]
- Mas não quero mais nada no mundo.
Após a obra alcançar o leitor verdadeiramente, de forma a inseri-lo nas mil e uma compreensões requisitadas, recordei o quão prazerosa é a escrita de Cassandra Clare; dinâmica, engraçada e traiçoeira. A autora transita conosco por caminhos jamais descritos e as revelações tomam uma proporção tão inesperada que vemos os personagens em situações tão inéditas para eles quanto para nós. A obra desempenha esta função perfeitamente, de nos direcionar para um final confiável e surpreendente, concluindo essa trilogia - que se tornou uma série, mas enfim - com um sentimento de dever cumprido. Ainda não li "Cidade dos Anjos Caídos", porém CDV conjecturou-se tão convincente que não sinto uma grande necessidade de continuação.
- E agora estou olhando para você, e você está me perguntando se ainda a quero, como se pudesse deixar de amar. Como se eu fosse desistir do que me deixa mais forte que qualquer coisa. Nunca ousei dar tanto de mim a ninguém antes; apenas pedaços de mim […] Mas desde a primeira vez em que a vi, pertenci completamente a você. E continuo pertencendo. Se você me quiser.
Se esperava mais de "Cidade de Vidro"? Sim e não. Cassandra Clare se provou uma escritora de mão cheia e mente mais ainda em Cidade dos Ossos e Cidade das Cinzas; dispensando-se da obrigação de comprovar algo em quaisquer outros livros. Entretanto, aguardei que sua escrita me prendesse desde o início como nos outros volumes, o que infelizmente não aconteceu. Excetuando tal dificuldade, a história me ganhou. A culminância dos fatos aponta para um final satisfatório, gostoso de se ler e nada previsível, com muito sangue, paixão, tiradas irônicas e iratze.  Anseio pela adaptação cinematográfica de "Cidade dos Ossos" no ano que vem e você que ainda não leu o livro homônimo tem uma ótima oportunidade de experienciá-lo. Não faz ideia do que está perdendo, mundano.
- Não é disso que estou falando [...] Não vou tocá-la, se você não quiser. Sei que é errado, meu Deus, como é errado, mas só quero me deitar com você, e acordar com você, só uma vez, uma única vez na vida. - Havia desespero em sua voz. – É só esta noite. No quadro geral das coisas, o quanto uma noite pode importar?
Título: Os Instrumentos Mortais #3 - Cidade de Vidro.
Autora: Cassandra Clare.
Editora: Galera Record.
Número de Páginas: 474.
Tradução: Rita Sussekind.

14 comentários:

  1. Sinceramente acho que esse foi o que eu mais gostei (embora o primeiro também tenha me cativado, mas li com uma lacuna de um ano entre eles).
    Achei o segundo muito ruim quando comparado com os demais, então talvez o início tenha te desempolgado pela lacuna (algo que não me ocorreu, emendei um no outro no mesmo dia).

    Enfim, eu curti muito as explicações que ele proporcionou e achei o livro mais centrado num único fim.

    Embora eu não seja louca pela série, concordo que Cassandra é uma ótima escritora.

    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Esse foi o meu favorito da série... Pra mim ela foi melhorando gradualmente, sendo que já tinha adorado o primeiro apesar de não ter me conquistado de cara! Haha... Já estava ficando desesperada quando você me disse que não estava curtindo tanto no início já que eu tinha amado tanto ele *-* rs. Fico feliz demais que tenha gostado assim, e agora o negócio é começar (ou não) a segunda trilogia da série! Haha...
    Beijos, Nanda

    ResponderExcluir
  3. Li essa serie a pouco tempo, tanta pessoas falavam be dessa serie que fiquei curiosa e resolvi ler, e confesso nao me decepcionei vire uma grande fã dos livros da cassandra clare a leitura é envolvente foi como se eu estivesse vivendo tudo o que estava acontecendo com os personagens, ( o meu favorito é o Magnus acho ele muito engracado rsrs), estou bastante curiosa pra ler o quarto livro da serie e se eu nao conseguir resistir a tentacao vou acabar comprando logo rsrs sou muito impaciente quando se trata de um livro que eu gosto!! Adorei a resenha.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  4. O crescimento no número de fãs de TMI é ótimo e creio que será como em 'Jogos Vorazes'; quanto mais próximo do filme estivermos, as pessoas curiosas que começarão a ler os livros será maior. Cassie sabe mesmo como segurar o leitor e o Magnus é realmente hilário, é difícil encontrar um personagem sem um "quê" humorístico. Desejo-lhe uma ótima leitura de "Cidade dos Anjos Caídos", depois passe aqui e deixe seu parecer, obrigado pelo comentário. Um beijo!

    ResponderExcluir
  5. Gosto MUITO de CDO e CDC, mesmo com tanto tempo de lidos. O começo foi bem complicado pra mim, mas consegui gostar de verdade da história do meio pro final e pelo que eu já havia vivido da trilogia, valeu muitíssimo a pena. Cassie sempre é Cassie, sempre é bom. Estou ansioso para ler CDAC, mas estou bem tranquilo e tenho que aproveitar essa onda Shadowhunter que "Cidade de Vidro" despertou em mim. Um beijão e obrigado pelo comentário, Nanda!

    ResponderExcluir
  6. Assim como você, Lili, estive lendo os anteriores há bastante tempo, mas lembro de ter gostado bastante de ambos a todo momento da leitura, coisa que não aconteceu com CDV. Todos os esclarecimentos foram bem fundamentados e críveis, o que só aumentou meu carinho pela escrita da Cassie. Obrigado por comentar, um beijo!

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente ainda não conheço esta série.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  8. Maristela da Graça Rezende13 de novembro de 2012 08:29

    Eu quero ler a série toda. Por isso vou esperar um pouco para poder comprar todos os livros. Gostei da resenha. Está ótima.

    ResponderExcluir
  9. Uma boa oportunidade de conhecê-la é agora, pois acredite, valerá a pena!

    ResponderExcluir
  10. Está no caminho certo, Maristela, aposto que irá gostar de TMI tanto quanto eu, apesar de quê vai esperar bastante para que todos os livros sejam lançados aqui a fim de que possa comprá-los todos juntos. Mas enfim, a escolha é sua ;) Obrigado por comentar, um beijo \o\

    ResponderExcluir
  11. Estou doida para ler esse livro!

    ResponderExcluir
  12. Nossa os livros da Cassandra Clare são de tirar o fôlego,adorei a resenha,ainda não li este, mas pelos anteriores promete muita coisa,as capas são um show à parte também.

    ResponderExcluir
  13. Esse padrão nas capas é realmente instigante, aumenta a vontade de ler o livro assim que damos de cara com elas! Fico feliz que tenha gostado da resenha, mas leia-o o quanto antes e aproveite bastante a história, viu? Obrigado pelo comentário, um beijo ;)

    ResponderExcluir
  14. E ficará ainda mais louca quando terminá-lo, Evelyn, é realmente uma leitura daquelas! Um beijo (:

    ResponderExcluir

A sua opinião é mais do que bem-vinda aqui no blog. O único pedido é que você seja cortês ao expressá-la, evitando o uso de termos ofensivos e preconceituosos. Assim, todos poderemos manter uma discussão saudável e bastante proveitosa. Obrigado!