sexta-feira, 21 de outubro de 2011

[Resenha] Nicholas Sparks - Um Amor para Recordar

Cada mês de abril, quando o vento sopra do mar e se mistura com o perfume de violetas, Landon Carter recorda seu último ano na High Beaufort. Isso era 1958, e Landon já tinha namorado uma ou duas meninas. Ele sempre jurou que já tinha se apaixonado antes. Certamente a última pessoa na cidade que pensava em se apaixonar era Jamie Sullivan, a filha do pastor da Igreja Batista da cidade. A menina quieta que carregava sempre uma Bíblia com seus materiais escolares. Jamie parecia contente em viver num mundo diferente dos outros adolescentes. Ela cuidava de seu pai viúvo, salvava os animais machucados, e auxiliava o orfanato local. Nenhum menino havia a convidado para sair. Nem Landon havia sonhado com isso. Em seguida, uma reviravolta do destino fez de Jamie sua parceira para o baile, e a vida de Landon Carter nunca mais foi a mesma.
– Bem… Você gostaria de ir ao baile comigo?
– Eu adoraria ir com você – ela disse, finalmente – mas com uma condição.
Eu me endireitei, esperando que não fosse algo constrangedor demais.
– E o que é?
– Você tem de prometer que não vai se apaixonar por mim.
Sabe aquele livro que você termina não querendo terminar de tanto que o livro te envolveu? 'Um Amor para Recordar' é um dos exemplos mais forte deste caso na minha vida. Conhecia a história por causa do filme - que não havia visto e assisti não tem muito tempo, pode acreditar - e desde então, o filme se tornou um dos meus favoritos, e agora o livro também está no topo da estante. Uma quase perfeita história de amor, não para ser recordada, e sim eternizada.
– Eu te amo também – ela finalmente sussurrou.
Eram as palavras que eu estava rezando para ouvir.
Desde o começo somos conectados com o protagonista Landon, que narra o livro. Por ser em primeira pessoa, acabamos por conhecê-lo melhor que os outros, seus medos e inseguranças, suas vontades e incertezas, e sua verdadeira identidade, aquela que ele guarda para ele e mais ninguém. A mudança progressiva de Landon no começo do livro para o Landon do final do livro é inacreditável, não só de atitude quanto de caráter e modo de pensar, é simplesmente um nível de evolução que a maioria dos seres humanos gostaria de alcançar.
– [...] você não perdeu a fé? [...]
– Não – disse. – Minha fé é a única coisa que me resta.
Nicholas foi muito feliz em escolher a temática do livro, que é complexa e envolve religião, romance, aceitação, amor ao próximo, e mais uma dezenas de abordagens que simplesmente joga na nossa cara o quanto somos estúpidos, e como poderíamos ser incríveis. Também acertou em inovar tanto ao colocar um personagem masculino para narrar um romance tão ímpar e eloquente, fez toda a diferença do que colocar Jamie como primeira pessoa nesta história - apesar de que eu adoraria uma versão dessas, não seria perfeito?. Ele criou personagens humanos e bem reais, vivendo situações que qualquer um poderia ter vivido, de uma maneira tão pura e divertida que o enredo se torna leve e irrefreável, um conto de amor que seu avô poderia lhe contar numa tarde fresca na varanda comendo bolo com café.
– Eu te amo, Jamie – disse a ela. – Você é a melhor coisa que já me aconteceu.
O amor de Landon e Jamie contagia, e acredite: mesmo tendo visto o filme antes e saber a história não tira nenhuma a graça da leitura, muito pelo contrário, só empolga e incentiva mais, até porque o livro é bem diferente do filme, temos uma história que acontece em - acredite se quiser - 1958, e tanto os personagens quanto as cenas do filme são bem, bem diferentes dos seus respectivos no livro, mas não tira em nada sua essência e favoritismo. Um sentimento emocionante transpassado página por página, capítulo por capítulo, lágrima por lágrima.
Nós nos beijamos outras vezes, também, mas não acontecia sempre que estávamos juntos, e eu nem tentei chegar à segunda etapa. Não havia necessidade. Beijá-la trazia uma sensação boa, algo suave e genuíno, e aquilo era o bastante para mim. Quanto mais fazíamos aquilo, mais eu percebia que Jamie havia sido mal compreendida durante toda a sua vida. Não somente por mim, mas por todas as pessoas.
Não cheguei a chorar ao final da obra - talvez por já conhecer o mesmo devido ao filme -, e sim ao aproximar dele, eu simplesmente vivi de maneira intensa toda aquela situação, todo aquele romance de partir corações lado-a-lado, e quando vi, não havia volta. Estava eu, chorando junto com os personagens, no ônibus indo para o colégio. Não sou de ferro, e erram ao dizer que Nicholas Sparks é sinônimo de histórias para chorar; na verdade nos presenteia com brilhantismo, realidade, amor e fé. O humor não é deixado de fora, as situações em que Landon consegue se colocar são impagáveis, um comum adolescente atrapalhado - muita identificação aí! - e seu jeito de ver as coisas também são divertidas, ele consegue ser irônico e sarcástico no nivelamento correto, nem parecendo cético demais, nem um bobo-da-corte.
As luzes estavam suaves, e quando a cantora começou uma melodia lenta, segurei-a bem perto de mim, com os olhos fechados, perguntando-me se alguma coisa na minha vida já havia sido tão perfeita, e, ao mesmo tempo, sabendo que não.
Estava apaixonado, e a sensação era ainda mais maravilhosa do que eu podia ter imaginado.
O enredo é muito bem construído, e cumpre a função de te colocar dentro da história, o leitor se sente um morador comum de Beaufort, espectador do amor do casal central, frequentador do colégio local, membro da Igreja Batista da cidade, é muito familiar e prazerosa a sensação que ele passa. A inteligente de Sparks é sublime, desde o começo ele diz ao leitor o que o espera, mas sem regar sobre nós spoilers ou coisa do tipo, ele simplesmente deixa isso no ar, que acaba com tudo fazendo sentido. Também foi de bom gosto inserir várias situações sem sentido ou justificativa na trama, que se amarraram de maneira fiel no final.
– E você? O que você quer fazer no futuro? [...]
– Eu quero me casar – ela falou, tranquilamente. – E quando isso acontecer, quero que o meu pai me conduza até o altar, e quero que todos que conheço estejam lá. Eu quero que a igreja esteja cheia de gente.
– Só isso? – Embora eu não fosse avesso ao casamento, parecia meio ingênuo ter aquilo como objetivo de vida.
– Sim – ela disse. – É só o que eu quero.
A Novo Conceito é amada por todos nós blogueiros, eles possuem uma dedicação e um cuidado únicos para com a blogosfera literária, e assim também é com seus livros. Este exemplar já veio com o selo dos mais de 5 milhões de exemplares vendidos, logo a capa já impõe respeito por si só. A capa inclusive é muito bem feita, e apesar de me incomodar quando o rosto dos personagens é mostrado na capa, virei tão fã da obra que isso não me perturbou. Achei um pouco exagerado o espaçamento entre o texto e os limites das páginas, parece que foi só para engrossar o livro um pouco mais, contudo podemos qualificar como um charme das histórias antigas. Toda a diagramação artística está impecável, coordenada de forma perfeita com a temática.
Não foi algo muito longo, e também não foi o tipo de beijo que vemos nos cinemas hoje em dia, mas foi maravilhoso à sua própria maneira. E tudo de que eu me lembro foi que, naquele momento, quando nossos lábios se tocaram pela primeira vez, eu sabia que a lembrança duraria para sempre.
O romance é aplicado suavemente, nada desesperador que nos lembre algumas sagas em que a mulher não respira sem que seu amado expire; é um amor adolescente tão intenso quanto qualquer outro, contudo marcante, puro e cheio de lições para toda vida. Creio que assim como 'O Pequeno Príncipe', este ápice do queridinho da Novo Conceito deve ser lido por todos de todas as idades, em diversas etapas de suas vidas, pois cada vez irá lhe trazer uma emoção e uma lição diferente, inesquecivelmente válida.
Olhei-a nos olhos, sorrindo com todo o sentimento que eu tinha, sabendo que não poderia manter as palavras dentro de mim por mais tempo.
– Eu te amo, Jamie – disse a ela. – Você é a melhor coisa que já me aconteceu.
Peço que me desculpem, sou extremamente exigente comigo mesmo, logo não estou muito satisfeito com esta resenha, mas isso sempre acontece, ainda mais quando o livro foi tão especial para mim. 'Um Amor para Recordar' é mais um livro, um filme, uma história, um conto de verão; é um amor livre de imperfeições e emocionante até o último monossílabo.  Recomendo para todos aos quatro ventos, mas prepare-se: no início você vai sorrir, depois...
- Você nunca sabe, Landon - ela disse, sorrindo. - quais são os planos de Deus.
Eu detestava quando ela dizia aquilo. Todos sabiam que ela falava com o Senhor todos os dias, mas nunca ninguém sabia o que o "Patrão do andar de cima" havia dito a ela. Ela poderia até mesmo ter uma passagem direta de primeira classe para o céu, por ser uma pessoa tão boa quanto era.
Título: Um Amor para Recordar.
Autor: Nicholas Sparks.
Editora: Novo Conceito.
Número de Páginas: 184.
Avaliação: 5 de 5.

10 comentários:

  1. onw
    suspiro...
    vi só o filme e chorei pra caramba, agora imagina ler o livro.
    Amei os quotes que você destacou, estou louca para ler este livro, tinha desanimado por já ter visto o filme, mas vou ler com ceteza.
    Bjos
    Jack do My book lit

    ResponderExcluir
  2. Oi Caíque,

    Sua resenha ficou muito boa. Também nunca vi o filme e nunca li o livro, pretendo ler em breve. A história é sempre elogiada por ter esse tipo de elementos de religião e acho a grande graça de Sparks é essa, mostrar um romance real, muitas vezes intenso, e que acaba sofrendo as modificações naturais que a vida faz. É um pouco cruel ler cada romance dele, mas sua escrita é apaixonante e própria para se devorar. Ele é um dos meus escritores favoritos. Nicholas é Sparks! HAUSHAUSH. Adorei sua resenha.

    ;*

    Matheus, Bobagens e Livros

    Acesse o blog, comemore o aniversário de "1 ano" e fique ligado nas promoções!

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Passando p conhecer o seu espaço e te convidar p conhecer o nosso blog/ nosso som e nos seguir. Já estamos te seguindo!
    Somos a Banda L 100 PopRock!
    Grande abraço.


    http://l100poprock.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Caíque!
    Eu ainda não li o livro, mas sou apaixonada pelo filme!
    Não peça desculpas pela resenha, gostei dela! Mas entendo o que você quis dizer, eu também nem sempre fico satisfeita com as minhas por também ser exigente, e acredito que quanto mais gosto de um livro, mais difícil resenhá-lo!
    Voltando ao livro, muitas pessoas disseram que não gostaram tanto de Um Amor pra Recordar, enquanto outras, como você, amaram!
    Assim, tenho cada vez mais curiosidade pra ler e tirar minhas próprias conclusões!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Caíque!
    Honestamente, eu não compartilho da mesma opinião rs. Eu já li este livro, aliás foi o primeiro do Nicholas que eu li e não tive uma boa impressão.
    Achei que foi dado muito ênfase aos aspectos religiosos na história sem falar dos clichês encontrados.
    Mesmo assim, espero gostar dos demais livros dele que eu tenho e que ainda não li para ver se consigo admirá-lo mais rs.
    Adorei a sua resenha!
    Bjs.

    Mariana Ribeiro
    Confissões Literárias.

    ResponderExcluir
  6. Só assisti ao filme e li os primeiros capítulos do livro, senti uma grande diferença!
    Mas eu chorei muito assistindo ao filme!
    Muito boa a resenha! :)
    Beijos, Mila ♥

    @Camilla_Leitte
    http://sonhosentrepontinhos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, Caíque!

    Genuinamente falando, achei a sua resenha ótima. De verdade. Você foi honesto e demonstrou uma parcialidade sem exageros. Mas confesso que Nicholas Sparks não é um autor que me cative realmente. Acho seus livros forçados, apelativos, feitos para chorar mesmo. A fórmula de sucesso politicamente correta me incomoda... Há sempre alguémm muito devoto, um casal jovem e um doente terminal... A vida nem sempre é assim, né? hahahaha
    Achei o filme de "Um Amor para Recordar" bonitinho quando assisti a ele na época, mas acho que foi o suficiente. Não tenho vontade de ler o livro e não seria diferente com outros do autor, infelizmente...


    Beijinhos,
    Ana - Na Parede do Quarto

    ResponderExcluir
  8. Oii Caíque, não tinha visto sua resenha ainda e você nem me contou que tinha conseguido fazer *-* Olha, tenho que dizer... Ficou INCRÍVEL! Parabéns, mesmo *-* Eu me arrepiei lendo sua resenha e me lembrando dos detalhes do livro! É realmente fantástico, Nicholas é mesmo um gênio, é brilhante!!! ^^ Eu li o livro e lembro que no final eu soluçava, eu não consegui me segurar mesmo sabendo o filme de cór kkkk' Realmente os dois são bem diferentes, focados em coisas diferentes e igualmente bons! MUITO bons! :D

    Parabéns de novo!

    Beijos, Nanda
    www.julguepelacapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Nossa Caíque! Que resenha, hein!
    Parabéns!
    Sempre tive vontade de ler esse livro. Já vi o filme e fiquei apaixonada e tenho certeza (ainda mais agora) que o livro é realmente bom.
    Nicholas já está se tornando o meu autor preferido (mesmo que eu só tenha lido um livro dele). Estou realmente tentada a conhecer todas as suas produções, pois ele sempre consegue misturar todos esses assuntos e sentimentos no livro o que faz com que fiquemos cada vez mais apaixonados pelas histórias.

    Bjs
    Gabi Lima
    http://livrofilmeecia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Caíque!
    Ótima resenha! :]

    Esse livro é lindo!

    Beijos, Kamila

    http://vicio-de-leitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir

A sua opinião é mais do que bem-vinda aqui no blog. O único pedido é que você seja cortês ao expressá-la, evitando o uso de termos ofensivos e preconceituosos. Assim, todos poderemos manter uma discussão saudável e bastante proveitosa. Obrigado!