terça-feira, 9 de abril de 2013

[Resenha] J.R.R. Tolkien - O Hobbit

Quem tem medo do dragão mau? __________________________________________________________________________________________
                                                                                                                                                                                           Sem spoilers

Caíque está lendo:
Era uma vez um menino que tinha uma grande amiga. Esta, um belo dia, indicou-lhe a trilogia de filmes de “O Senhor dos Anéis”. Desde então, o menino almejava ler algo do autor que dera origem àquela realidade tão fantástica e única. Em outra agradável manhã, o menino conseguiu realizar o seu desejo e resolveu tentar escrever tudo aquilo que a obra lhe passou. Mas o menino nunca descobriu se bem o executou, tão somente o fez sem hesitar. 

- [...] Agora, vá depressa e volte logo, se tudo estiver bem. Caso contrário, volte se puder! Se não puder, pie duas vezes como uma coruja, e uma vez como um mocho, e faremos o que estiver ao nosso alcance.


Bilbo Bolseiro é um hobbit que leva uma vida confortável e sem ambições, raramente aventurando-se para além de sua despensa ou sua adega. Mas seu contentamento é perturbado quando Gandalf, o mago, e uma companhia de anões batem à sua porta e levam-no para uma expedição. Eles têm um plano para recuperar seu tesouro roubado por Smaug, o Magnífico, um grande e perigoso dragão. Bilbo reluta muito em participar da aventura, mas acaba surpreendendo até a si mesmo com sua esperteza e sua habilidade como ladrão!
Para além das montanhas, nebulosas e frias
Adentrando cavernas, calabouços perdidos
Devemos partir antes de o sor surgir,
Buscando tesouros há muito esquecidos.
Quando as coisas são para acontecer, elas simplesmente ocorrem sem impedimentos. Tolkien o escreveu para seus filhos e acabou se tornando um dos livros mais conhecidos, lidos e influentes da face da Terra. Comparando o enredo e as temáticas abordadas atualmente, a obra talvez não se encaixasse no gênero infantil se lançado hoje em dia, pois sim, enquanto “O Senhor dos Anéis” engloba aspectos mais obscuros, sombrios e emocionalmente pantanosos, “O Hobbit” é apenas um livro para crianças. Bom, talvez “apenas” não seja o termo ideal para referenciá-lo.
É estranho, mas as coisas boas e os dias agradáveis são narrados depressa, e não há muito que ouvir sobre eles, enquanto as coisas desconfortáveis, palpitantes e até mesmo horríveis podem dar uma boa história e levar um bom tempo para contar.
Tolkien possui uma narrativa muitíssimo peculiar. Ele não segue um padrão de escrita e tampouco tenta ser profissional ou eloquente com isso. O curioso é que deu certo. Ele interage com o leitor, faz comentários impróprios sobre Bilbo nas situações mais impróprias e sabe como tirar um humor saudável e aplicar lições subliminares como ninguém. Provavelmente, tal leveza pueril não se encontre em seus outros best-sellers, pois o público-alvo é outro – caso possamos chamar de “público alvo”, considerando o objetivo inicial de leitura. É prazeroso de se ler e em momento algum maçante, como temia graças à fama das descrições mais que detalhadas do escritor.
- Restam-lhe apenas dez minutos. Você vai ter de correr [...]
- Mas... [...]
- Não há tempo para isso [...]
- Mas... [...]
- Também não há tempo para isso! [...]
Ao delimitar trejeitos de uma forma tão automática, os personagens se tornam a grande marca do autor e prontamente nos familiarizamos com as maneiras de falar, os jeitos de pensar e, principalmente, os tipos de criaturas da Terra Média. Orcs gratuitamente cruéis e anões indubitavelmente divertidos, hobbits e seu meio sereno de vida e magos que somem, aparecem e agem sem explicações suficientes. Sem contar o valor cultural estabelecido, porquanto estamos falando de gerações e gerações que têm o conceito de elfos, anões, magos, feiticeiros, orcs, goblins e tantas outras ficções exatamente como Tolkien os criou, imaginou e descreveu. Tal espécie de poder, essa influência massiva e quase desproposital perpetuada por décadas conclui sua importância para a literatura humana.
Tentou adivinhar da melhor maneira possível e arrastou-se por um bom trecho, até que de repente sua mão tocou o que parecia ser um minúsculo anel de metal frio no chão do túnel. Era um ponto decisivo em sua carreira, mas ele não sabia.
Pontuando fatores negativos, não posso mencionar quaisquer faltas cometidas, já que consideramos se tratar de um texto para crianças. E mesmo se não levássemos em conta, não notaríamos nada de errado. O livro executa com precisão suas funções e apenas o final me incomodou um pouco, uma vez que não esperava o desenrolar da trama do modo que se sucedeu, acredito que tenha fugido um tanto da proposta original, entretanto não alterou em nada a apreciação da leitura. Tive a chance de adquirir meu exemplar em uma promoção do Submarino por R$30, a edição de comemoração da Martins Fontes de 75 anos de publicação da obra, com direito à capa dura, inúmeras ilustrações do autor, ortografia atualizada e detalhes tipográficos e de design em geral que fazem o preço valer a pena. Com certo dó de levá-lo para ler no ônibus, li a maior parte através do tablet, contudo sempre que conseguia uma hora em casa, aproveitava-o ao máximo.
Ele atacou os pelotões dos orcs de Monte Gram, na Batalha dos Campos Verdes, e arrancou a cabeça de seu rei Golfimbul com um taco de madeira. A cabeça voou pelos ares cerca de cem jardas e caiu numa toca de coelho, e dessa maneira a batalha foi vencida e ao mesmo tempo foi inventado o jogo de golfe.
Não sei quantos dragões egocêntricos e narcisistas separam-nos do tesouro de leitura que é “O Hobbit”, mas é o momento de angariar uma companhia de anões e empenhar o caminho da batalha. E não se intimide com as noções que possui ou os preconceitos literários que abrangem seus cerebelos, apenas lembre-se de que mesmo este leitor desconfiado se rendeu à história, gostou e também ainda não se comprometeu em ler a trilogia do Um Anel. Deixem de procrastinar a decisão antes que um mago bata à sua porta para chamá-lo a uma aventura. E se ele se atrasar, não se engane, ele não está atrasado. Magos chegam exatamente quando devem chegar e é melhor ter bolos, chá e charadas para recepcioná-lo.
Num buraco no chão vivia um hobbit. Não uma toca desagradável, suja e úmida, cheia de restos de minhocas e com cheiro de lodo, tampouco uma toca seca, vazia e arenosa, sem nada em que sentar ou o que comer: era a toca de um hobbit, e isso quer dizer conforto.
Título: O Hobbit.
Autor: J.R.R. Tolkien.
Editora: Martins Fontes.
Número de Páginas: 310.
Tradução: Lenita Maria Rímoli.

4 comentários:

  1. Apenas amo O Hobbit. Ótima resenha! <3

    http://legadodaspalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. hassdc.wordpress.com13 de abril de 2013 08:58

    Esse livro é fabuloso, só o filme que me deixou a desejar. E que bom que comprou essa edição maravilhosa na promoção haha

    ResponderExcluir
  3. muito bom olivro! e uma ideia seria uma dia fazer um post comparando o livro com o filme.

    ResponderExcluir

A sua opinião é mais do que bem-vinda aqui no blog. O único pedido é que você seja cortês ao expressá-la, evitando o uso de termos ofensivos e preconceituosos. Assim, todos poderemos manter uma discussão saudável e bastante proveitosa. Obrigado!