terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

[Resenha] Suzanne Collins - Em Chamas

A vida no Distrito 12 não é de fato tão diferente da vida na arena. Em determinado ponto, você precisa parar de correr, se virar e encarar quem quer que queira ver você morta.
Costumo começar minhas resenhas com a sinopse do livro em questão, porém desta vez não pude optar por este caminho, pois a sinopse de " Em Chamas" é extremamente cheia de spoilers do primeiro livro da trilogia, "Jogos Vorazes", e não posso oferecer informações assim que iriam corromper o deleite que é ler a narrativa de Suzanne Collins.  Fique à vontade para conferir primeiro a resenha de "Jogos Vorazes", caso se sinta um pouco perdido. Acompanhe esta complicada opinião livre de spoilers sobre um livro que excede todas as expectativas.
- Meus pesadelos geralmente são sobre te perder. Fico bem quando percebo que você está aqui.
Desde o livro anterior, Suzanne havia me ganhado. Com sua narrativa intensamente real e crível, ela faz o leitor acreditar que aquilo tudo está acontecendo sem pestanejar. "Jogos Vorazes" tira o fôlego em alguns momentos,  mas "Em Chamas" cumpre a função de trazer a sensação à tona página após página. Essa é outra característica da trilogia que me chama muito a atenção, essa contínua ação que nunca para ou se esgota. A história não se enovela nem nos momentos mais emotivos, o que é para ser detalhado é detalhado o suficiente, nada longo ou entediante, e encaixa o leitor nas situações propostas de verdade. Isso proporciona um certo ritmo constante, fazendo a leitura passar até mais depressa do que gostariámos.
- Eu gostaria de poder congelar este momento, aqui, agora e viver nele para sempre.
Alguns livros nos oferecem distopias duvidosas; Collins conseguiu criar uma base de governo tão concreta para sua obra que é difícil deixar de temê-lo. Neste segundo livro temos a chance de conectar-nos e saber mais da realidade criada, assim como as outras facetas de alguns personagens que já conheíamos. Aliás, estes estão impecáveis, percebemos que a construção de cada um deles foi tão minuciosamente trabalhada que nos apaixonamos por cada um, torcemos e odiamos, apostamos e teorizamos, tudo no caleidoscópio de sentimentos e abordagens que é "Jogos Vorazes". E se você, como eu, mal pode esperar para ver a adaptação cinematográfica do primeiro livro no próximo mês; ficará feliz em saber que assim como nele, "Em Chamas" adentra em nossa mente como em um filme, tão fidedigno em nos passar as angústias e as conquistas quanto o seu anterior.
- Você sabe, você poderia viver mil vidas e não merecer ele.
Suzanne Collins, a autora.
A narrativa no presente ainda é uma barreira a ser transcendida, em razão do desábito de se ler em tal tempo verbal, entretanto é algo com o qual passamos a conviver bem e à medida em que avançamos no enredo, torna-se praticamente impercebível. É impossível falar de qualquer coisa sem entregar spoilers, por isso passarei longe de alguns detalhes e peço desculpas por isso. Quem lê isto deseja a mesma sensação que tive ao ler a obra, e não é ético privar qualquer um disso. Retirar qualquer informação desse tipo compromete o caráter do texto sim, convertendo-o mais em um comentário que em uma resenha propriamente dita, mas nestes casos de personagens com potencial de morrer ou não durante a história, o ideal é manter a frivolidade. Enfim, tendo seu precedente focado bastante na vida social de toda a população, o livro agora se amplia muito mais no que diz respeito à vertentes do enredo, englobando muito mais temas e plots entre a cartela de personagens, dinamizando a harmonia da obra. O leitor é constantemente surpreendido, o que cria uma expectativa, mas também - e principalmente - uma necessidade de prosseguir com a leitura.
- [...] Porque eu não quero que você esqueça o quão diferentes são as nossas circunstâncias. Se você morrer [...] acaba a vida para mim [...] Você é toda a minha vida – diz ele. – Eu nunca mais seria feliz.
A Editora Rocco prosseguiu com a padronização da trilogia vinda dos Estados Unidos, o que foi um grande acerto ao meu ver, já que além de concluir-se em um belo e simples trabalho, retrata também a objetividade do enredo.  As páginas são resistentes e o começo dos capítulos são bem desenhados, fácil de se reconhecer - e se situar na história. A lombada do livro amassa naturalmente nas pontas, apesar dos meus cuidados supervalorizados, porém vejo que isso varia de edição para edição. Os volumes da Juh Oliveto do 'Livros e Bolinhos' por exemplo, têm um certo desnivelamento, não havendo uma comum altura entre os três livros. Os detalhes do título e do pássaro-símbolo da trilogia (tordo) na capa do livro obtiveram um grande destaque com o alto-relevo bem empregado.
Meus joelhos cedem [...] Quando o álcool domina a minha mente, ouço o vidro se despedaçar no chão. Isso parece apropriado, já que obviamente não consigo segurar mais nada na vida com firmeza.
O tordo.
Se "Jogos Vorazes" conseguiu alcançar um patamar de excelência tão elevado, sua continuação determina o porquê. "Em Chamas" é o meio-termo modelo de qualquer trilogia, atingindo o ápice de excitação e contextualidade, sem fugir do objetivo principal e simultaneamente, buscando adentrar os novos rumos que a história pode tomar. A autora instituiu uma obra contemporânea que assim como tantos outros best-sellers, poderá ser lida e surtir os mesmos efeitos ao passar dos séculos. 
Grudo o ouvido em seu peito [...] onde sei que ouvirei a batida forte e constante de seu coração. Ao contrário, só há silêncio.
Título: Em Chamas.
Autor: Suzanne Collins.
Editora: Rocco.
Número de páginas: 413.
Avaliação: 5 de 5.

17 comentários:

  1. É incrível como Em chamas consegue superar tanto o primeiro livro, não é geralmente o contrário que acontece? Nessa série os livros só melhoram a medida que ela segue.

    E realmente falar desse livro sem soltar spoiler é um desafio imenso, mesmo que a Katniss não esteja fazendo ela mesma algo, em sua volta é tanta coisa acontecendo que o fôlego praticamente não existe.

    Eu amo a narrativa que a Collins empregou, tendo a fala da personagem no presente aproxima mais o leitor da história do que se fosse no passado, deixa um ar mais realista e mais crível.

    ResponderExcluir
  2. não quis ler por causa dos spoilers, comprei os dois primeiros livros e estou esperando pra ler. mas a resenha parece ótima

    http://www.just-livros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, você poderia ter lido! Eu especifiquei bastante que a resenha é livre de spoilers, para que todos pudessem lê-la sem empecilhos, porque eu sei como é difícil encontrar uma resenha dos livros da trilogia sem eles. Mas assim que puder, leia, vale a pena! Um abraço (:

      Excluir
  3. Olá, Caíque!

    Infelizmente eu ainda não tive a oportunidade de conferir esta trilogia, que por sinal tem sido bastante aclamada e querida na blogosfera a fora, e confesso nunca ter tido tamanha curiosidade para se quer acrescentá-los em minha meta pessoal de leitura. Contudo, não posso negar que os direcionamentos soam instigantes, e a sua resenha é uma prova viva disso. Entendo sua privatização de comentários, pois sei exatamente como é escrever algo sem ofertar tamanhos spoilers... mas, mesmo assim, garanto que você fez um ótimo trabalho ao atribuir palavras tão estimulantes, jogando um ar de mistérios, e nos deixando (pelo menos aqueles que assim como eu ainda não tiveram a chance de ler) bastante curiosos. Quem sabe eu não dê uma oportunidade sólida à Jogos Vorazes? :)

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo você, Fran. Vejo os comentários positivos do Caíque, assim como as resenhas de blogueiros nacionais e internacionais, e só tenho mais e mais vontade de conhecer a história da saga. Mesmo que não tenhamos uma predileção inicial pela temática que nos é oferecida, a torrente de elogios, uma hora ou outra, acaba por nos deixar curiosos e instigados. Infelizmente, os livros são relativamente caros, e eu ando bastante preocupado com a tarefa de trazer conteúdo novo ao blog - de forma que parar para ler uma obra que já foi resenhada aqui pode não ser uma excelente ideia. Mas a gente vai vivendo, não é? Curiosos ou não, nós vivemos, haha.

      Grande abraço!

      Excluir
  4. eu comecei a ler jogos vorazes mas acabei parando justamente por não gostar da narrativa >.< achei a katniss completamente sem sentimentos enquanto narrava a história, senti como se ela fosse indiferente a tudo D: eu acho a base do livro ótima e bem estruturada, soh não gostei msmo da narrativa da katniss D:

    --
    hangover at 16

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, uma opinião negativa mesmo! Não vi ninguém com a mesma impressão não, Caue. Talvez isso seja proveniente, no primeiro livro, do que a Katniss tem que passar na arena, do que ela teve que abrir mão, e como os Jogos refletem nos tributos, ela tinha que ser objetiva e fria em alguns momentos sim, mas não foram muitos na minha opinião. O ritmo rápido da narrativa de Suzanne também pode ter contribuído para que você pense assim. Obrigado pelo comentário, um abraço!

      Excluir
  5. Eu me apaixonei por ''Em Chamas'' tanto quanto eu me apaixonei por ''Jogos Vorazes''... Simplesmente não consigo escolher um favorito, pois - para mim - os livros são igualmente fantásticos.

    Já estou com o meu ''A Esperança'' aqui para ler (acho que sou o único que não ligou para este título aqui no Brasil), mas quero manter por um pouco mais de tempo esta sensação tão gostosa de expectativa que - hoje em dia - poucas séries conseguem nos proporcionar.

    Um texto brilhante, parabéns!

    Henri B. Neto
    ''Na Minha Estante''

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário Henri!
      Bom, diferente de você, eu realmente me apaixonei de verdade pela trilogia agora com o "Em Chamas", isso de virar fã começou com ele. A tradução de títulos, termos, topônimos e afins é sempre motivo de discussão entre os leitores, principalmente com os fãs de sagas e trilogias famosas, como 'O Senhor dos Anéis' (muita gente não engoliu Rivendell por "Valfenda" até hoje), mas é algo em que a convivência é inevitável. Eu acho que 'A Esperança' pode até ter mais conexão com o enredo que o título original, mas só depois de lê-lo irei afirmar meu parecer sobre isso. Um abraço e que a sorte esteja sempre com você!

      Excluir
  6. Estou com meu jogos vorazes aqui prontinho para ler e não vejo a hora! Todo mundo fala tãããão bem que eu me sinto como se já conhecesse a história *-*
    Beijoos

    CC
    http://blogcabelosaovento.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não perca tempo Camila, leia o quanto antes; aposto que suas expectativas serão recompensadas na leitura! E cuidado com os spoilers, é claro XD
      Obrigado pelo comentário, um beijo (:

      Excluir
  7. Oi Caíque!
    Incrível sua a análise de 'Em chamas'. Eu nunca conseguiria escrever melhor. E os quotes separados por você me deu uma imensa saudade dos livros da Collins.

    Quanto a diferença de tamanho entre os livros, acredito que tenha sido problema de edição. Por um pequeno problema, adquiri 2 volumes de 'Jogos Vorazes', sendo um deles da 1ª edição e o outro de edição posterior. Realmente o da 1ª edição ficou destoando dos volumes 2 e 3.

    Abraços!
    Lygia - Brincando com Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário, Lygia! Eu sou meio aficionado por quotes e fico me policiando durante a leitura para não separar 20 delas :) Mas o objetivo é esse mesmo, complementar a resenha de alguma forma e deixar o tão famoso gostinho de "quero mais", para que as pessoas tenham - ou não - a vontade de ler o livro em questão imediatamente! Nossa, isso das edições diferentes explicou muita coisa, dou graças a Deus por ter tido esse problema. Um beijo!

      Excluir
  8. Oi meninos,

    Caíque, eu amo a trilogia e não me canso de ler os comentários sobre ela. Seu texto está excelente, acho que ainda não conhecia suas resenhas. Na verdade eu já entrei no blog tem um tempo e como não tinha no G Reader acabei não recebendo as atualizações, agora já corrigi isto.

    Robledo, vi seu comentário no artigo do Literal que cita o VL e vi também no texto da Ana, gostei muito da maneira como você se expressa. Bom, eu adoro fantasia e leio todas as modinhas e livros de todos os estilos. Não tenho preconceitos, acho que a leitura vale como entretenimento e o leitor deve ler aquilo que mais gosta.

    Abs

    ResponderExcluir
  9. Nossa! Esse livro deve ser maravilhoso, não só ele como a trilogia. Adorei a resenha e espero não se lê os livros, mas vê o filme...

    ResponderExcluir
  10. Li a trilogia, não tem como não se sentir um tributo, sério, mas me apaixonei especialmente por Em Chamas.

    ResponderExcluir
  11. Thaynan Lira Galhardo10 de janeiro de 2013 11:00

    Amei a resenha. Parabéns! Descreveu perfeitamente a obra incrível sem entregar spoillers gratuitos. :)

    ResponderExcluir

A sua opinião é mais do que bem-vinda aqui no blog. O único pedido é que você seja cortês ao expressá-la, evitando o uso de termos ofensivos e preconceituosos. Assim, todos poderemos manter uma discussão saudável e bastante proveitosa. Obrigado!